Siga a Rafale no Facebook

Você sabia que o melhor avião da Segunda Guerra era japonês?

Você sabia que o melhor avião da Segunda Guerra era japonês?

Os japoneses podiam até estar do lado errado da Segunda Guerra Mundial, mas temos que concordar que eles foram os responsáveis pela criação do melhor avião do conflito, o Mitsubishi A6M Zero.
Jiro Horikoshi foi o engenheiro responsável pela criação do Zero, que chegou a ser a maior esperança do Japão em derrotar os EUA, tamanha era sua leveza e autonomia de voo.


O Zero em Pearl Harbor

Logo no início do conflito entre Japão e EUA, o Zero demonstrou suas capacidades de combate. O caça estava na linha de frente ao ataque aéreo na base americana em Pearl Harbor, no Havaí, em 1941.
O ataque que ficou conhecido por ser o estopim da entrada dos americanos na Guerra, foi a demonstração máxima das capacidades do Zero.
Por conta de sua leveza e agilidade nas manobras, o caça surpreendeu a artilharia americana com ataques rápidos e imprevisíveis. Sua autonomia fez com que os pilotos saíssem das distantes ilhas do Pacífico, direto para o coração da base americana no Havaí.


Os Kamikazes
Apesar dessa capacidade toda, nem o Zero foi capaz de suportar o poderio militar americano, fazendo com que o império japonês, que já havia conquistado a maior parte da região do Pacífico, incluindo Coreia, Taiwan e parte da China, recuasse de suas posições, adotando táticas ofensivas e brutais, como os ataques Kamikazes.
Kamikazes eram pilotos que se jogavam deliberadamente sobre os porta-aviões inimigos, sacrificando sua vida para defender sua nação e seu imperador.
O Zero foi o avião mais utilizado nessa tática, por conta de sua agilidade. A capacidade de fugir dos tiros inimigos faziam com que o Zero alcançasse seu objetivo com muito sucesso.
Esses ataques foram responsáveis pela perda de muitos navios americanos.


Vidas ao Vento: o criador do Zero
Em 2013, o maior estúdio de animação do Japão, o Estúdio Ghibli, conhecido por sua capacidade artística e por seus premiados filmes, lançou o longa-metragem “Vidas ao Vento” (Kaze Tachinu), que contou a história do engenheiro Jiro Horikoshi, responsável pelo desenvolvimento do Mitsubishi A6M Zero.
O filme, comandado pelo consagrado diretor e animador Hayao Miyazaki, foi indicado ao Oscar de melhor animação em 2014 e retratava a vida do engenheiro nascido em 1903, no Império do Japão. Jiro sonhava em ser piloto, mas sua visão debilitada impossibilitava a realização do seu sonho.

Com alma de artista e inspiração na engenharia Europeia de aviões, Jiro logo trocou de sonho, ao ver os aviões que lutaram na Grande Guerra, entrando de cabeça nos estudos, até desenvolver um modelo de Duralumínio, liga metálica leve e resistente, que fez com que Zero fosse leve, ágil e poderoso.
Com o Zero, o Japão pôde conquistar a China com muita rapidez e precisão. Os objetivos expansionistas japoneses foram muito ajudados pelo caça.
O Zero foi a maior criação de Jiro, o avião mais perigoso da Guerra, que poderia ter mudado a história do conflito. Apesar disso, a posição do Japão de apoio ao Eixo foi decisiva na derrota, já que EUA se destacava como a maior potência militar daquela época.
Enquanto a Guerra se arrastava para seu fim na Europa, com a União Soviética tomando as ruas de Berlim, no Pacífico as batalhas se intensificavam, muito por conta da presença do Zero e dos Kamikazes. O Japão se entregou meses depois, quando as bombas atômicas de Hiroshima e Nagasaki foram detonadas, tornando o Zero uma lembrança da habilidade da engenharia japonesa e inspiração para a engenharia de aviões moderna.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 − cinco =