Santos Dumont – Dia 20 de julho é comemorado o aniversário de Santos Dumont, considerado o pai da aviação, mas também de outros inventos criados por ele.

Alberto Santos Dumont nasceu em Palmira-MG (atual Santos Dumont) em 20 de julho de 1873 e morreu no Guarujá, em 23 de julho de 1932.

Santos Dumont é mais conhecido por sua relação com a aviação, claro, mas ele também era um grande fã de carros: foi ele quem fundou, em 1907, o Automóvel Clube do Brasil.

Santos Dumont e o desejo pela aviação

Desde pequeno, Santos Dumont já guiava os locomóveis da fazenda onde morava, e aos doze se divertia como maquinista das locomotivas.

Mas foi ao ler as obras do escritor francês Júlio Verne que nasceu em Santos Dumont o desejo de conquistar o ar.

Os submarinos, os balões, os transatlânticos e todos os outros meios de transporte que o fértil romancista previu em suas obras exerceram uma profunda impressão na mente de Santos Dumont.

Anos depois, já adulto, ele ainda lembrava com emoção as aventuras vividas, na época, apenas em sua imaginação: “ Com o Capitão Nemo e seus convidados explorei as profundidades do oceano, nesse precursor do submarino, o Nautilus. Com Fileas Fogg fiz em oitenta dias a volta ao mundo. Na Ilha a hélice e na Casa a vapor, minha credulidade de menino saudou com entusiástico acolhimento o triunfo definitivo do automobilismo, que nessa ocasião não tinha ainda nome. Com Heitor Servadoc naveguei pelo espaço.”

Outras invenções de Santos Dumont

Relógio de Pulso: apesar de muita gente creditar a invenção a Santos Domont, na verdade, tal fato se deve a um pedido dele ao amigo Louis Cartier que desenvolvesse o primeiro relógio de pulso.

Chuveiro de água quente: Até então inédito no Brasil: o chuveiro era aquecido a álcool e funcionava com um balde perfurado e dividido ao meio, com entrada para água quente e fria e duas correntes de temperatura.

Hangar: Foi de Santos Dumont a ideia de construir o primeiro hangar do mundo. Tal espaço deveria ser comprido e alto o suficiente para abrigar o dirigível N-3 e todos os componentes e ferramentas necessários para o trabalho.

10 curiosidades sobre Santos Dumont

1) Alberto era franzino (sua altura é dada entre 1,52 e 1,58 metro, e pesava 50 quilos) e tinha um temperamento bastante sensível. Usava sapatos de sola grossa e chapéu panamá de copa alta para parecer mais alto.

2) Santos Dumont foi pioneiro das corridas de automóvel na França. Mesmo antes de inventar o avião, em 1906, já era recebido como herói no Brasil.

3) Santos Dumont não patenteou seus inventos. Preferiu entregá-los à humanidade e permitir que outros comercializassem seus aviões.

4) Durante a Primeira Guerra Mundial, ele ficou preso uma noite numa delegacia francesa, acusado de ser um espião alemão. Ficou em estado de choque.

5) Com dois livros autobiográficos publicados em 1904 e 1918, Santos Dumont foi eleito imortal da Academia Brasileira de Letras (ABL) em 1931, para a cadeira 38, mas morreu no ano seguinte, antes de tomar posse.

6) O pai da aviação tinha as suas manias: só entrava nos lugares com o pé direito; evitava os números 8 e 50, recusando-se a carregar notas de 50 mil-réis; e não dizia “adeus”, por medo que fosse a sua despedida.

7) O médico Walther Haberfield removeu secretamente seu coração e o preservou em formol.[49] Depois de manter segredo sobre isto durante doze anos, quis devolver o coração à família Dumont, que não o aceitou. O médico então doou o coração de Santos Dumont ao governo brasileiro. Hoje o coração está exposto no museu da Força Aérea no Campo dos Afonsos, Rio de Janeiro.

8) Em 16 de outubro de 1936, o primeiro aeroporto do Rio de Janeiro foi batizado com seu nome.

9) Em 31 de julho de 1932 o decreto estadual n° 10.447 mudou o nome da cidade de Palmira, em Minas Gerais, para Santos-Dumont

10) Apesar de os brasileiros considerarem Santos Dumont como o responsável pelo primeiro voo num avião, na maior parte do mundo o crédito à invenção do avião é dado aos irmãos Wright. Uma excepção é a França, onde o crédito é dado a Clément Ader que efectuou o primeiro voo de um equipamento mais pesado que o ar propulsionado a motor e levantando voo pelos seus próprios meios em 9 de outubro de 1890.

Filme: Santos Dumont: o desafio do ar

A partir de textos escritos pelo próprio Santos Dumont, a vida do brasileiro, pioneiro na aviação mundial, é revisitada. Sua infância no Brasil, a ida para a França, os primeiros testes com aeronaves – até colocar o 14 Bis para alçar voo. Com direção de Adolfo Rosenthal, o documentário é fantástico e possui um realismo impecável com altíssima qualidade de imagem, efeitos especiais e pesquisa histórica.
Ao final, entrevista com o diretor que conta interessantes detalhes técnicos da produção.

Minissérie da HBO:  Contos Dumont: Mais Leve que o Ar

Sem data prevista para ir ao ar, a HBO está preparando, sob o comando de Estevão Ciavatta, “Contos Dumont – Mais leve que o ar”, que contará com seis episódios e pretende explorar o lado humano de Dumont, figura enigmática que não foi muito explorada no cinema e na TV.

A morte de Santos Dumont

Em 1932 ocorreu a revolução constitucionalista, em que o estado de São Paulo se levantou contra o governo revolucionário de Getúlio Vargas. Mas o conflito aconteceu e aviões atacaram o Campo de Marte, em São Paulo, no dia 23 de julho. Possivelmente, sobrevoaram o Guarujá, e a visão de aviões em combate pode ter causado uma angústia profunda em Santos Dumont que, nesse dia, aproveitando-se da ausência de seu sobrinho, suicidou-se, aos 59 anos de idade. Os médicos legistas Roberto Catunda e Ângelo Esmolari, que assinaram seu atestado de óbito, registraram a morte como ataque cardíaco. Entretanto, as camareiras que acharam o corpo relataram que ele havia se enforcado com a gravata.

Resumo da cronologia das invenções de Santos Dumont

1898 – Em 14 de julho, Santos-Dumont subiu em seu primeiro balão-livre esférico individual, o Brasil. Voou várias vezes experimentando o aparelho e logo em seguida construiu o L’Amerique, bem maior e para vários passageiros. Em 18 de setembro, tentou decolar pela primeira vez com seu balão-dirigível nº 1, realizado no Jardim da Aclimação, concordou com os espectadores em decolar a favor do vento e acabou se acidentando. No dia 20 de setembro, vem a experiência bem sucedida com seu balão-dirigível n° 1, partindo do Jardim da Aclimação até Bois de Boulogne, onde foi obrigado a descer no campo de Bagatelle devido ao mau funcionamento da bomba de ar do balonete. E no dia 25 de outubro, Santos-Dumont realizou ascensão em um balão-livre, que durou horas e foi de Paris a Vicarnes, próximo a Chantilly.

1899 – Em 11 de maio, faz a primeira experiência com o seu balão-dirigível n° 2, partiu novamente do Jardim da Aclimação e logo após o início da ascensão o invólucro dobrou-se ao meio. O dirigível chocou-se contra as árvores, danificando-se. No dia de 13 de novembro, realiza a primeira experiência com seu dirigível n° 3 Saiu de Vaugirard e contornou a Torre Eiffel pela primeira vez.

1900 – No dia 22 de março, iniciou, em Paris, a construção do seu balão dirigível n° 4. No dia 16 de junho, Santos-Dumont, termina a construção de seu hangar em Saint Cloud, no Parque da Aerostação do Aeroclube de França. O hangar media 30 metros de comprimento, 11 de altura e 7 de largura. Assim economizava gás e ganhava tempo.  No dia 1 de agosto, termina a construção do balão dirigível n° 4.  Algumas inovações foram incorporadas: motor mais potente de 7 cavalos e 2 cilindros, um selim de bicicleta no lugar do cesto, a hélice dianteira e pedais para acionar o motor. E em 19 de setembro, faz a experiências com seu n° 4, em Saint Cloud.

1901 – No dia 12 de julho, decidiu mudar o n° 4 construindo um novo balão com melhores condições de dirigibilidade. E fez experiências com seu dirigível n° 5, com motor mais potente de 4 cilindros e 12 cavalos.  No dia 30 de agosto, novo balão-dirigível, o n° 6, em 22 dias estava pronto o novo balão, quase igual ao n° 5.

1902 – No dia 2 de fevereiro, partiu de Nice para Paris a fim de tratar da construção do seu dirigível n° 7.

1903 – Balladeuse e o invento de n° 9. A partir de 21 de maio, Santos-Dumont realizou vários vôos no Balladeuse, o menor dirigível até então construído. Pequeno, ágil e fácil de manobrar, foi a sensação de 1903. Tinha capacidade de apenas 261 m3 de gás e 12 m de comprimento, podendo desenvolver a velocidade de 30 km/h com um motor de 3 cavalos.

1906 – No dia 19 de julho, apresenta seu 14 Bis. Santos-Dumont, surgiu com um aparelho extravagante com estrutura de caixas com motor de 25 cavalos (depois substituído por um de 50), 12 m de envergadura e 10 m de comprimento.  Em 13 de setembro, realiza um vôo de 7 metros de distância com o 14 bis no campo de Bagatelle.

 

1907 – Entre 15 e 17 de novembro, Santos-Dumont realizou experiências com seu invento de numero 19, que ficou conhecido como Demoiselle. Era um avião totalmente original, extremamente leve e de um design impressionante.

1908 – Entre 23 a 30 de dezembro, realizou-se no Grand Palais, em Paris, uma exposição aeronáutica, na qual estava o Demoiselle de Santos-Dumont. Hoje, o Demoiselle n° 20 encontra-se em exposição permanente no Musée de l’Air et de l’Espace. (site do Museu)

1909 – Em 06 de abril, Santos-Dumont realizou as primeiras experiências com o Demoiselle 20: voou 2000 m. Em 13 de setembro, atingiu a velocidade de 96 km/h em vôo com duração de 5 min.

 

1915 – Em outubro, Santos-Dumont voou em um hidroavião Curtiss na fábrica em Long Island, N.Y. No dia 28 de dezembro, Inaugurou-se, em Washington, o Segundo Congresso Científico Pan-americano, no qual Santos-Dumont discorreu sobre o seguinte tema: “Como o aeroplano pode facilitar as relações entre as Américas”. Sua conferência teve grande repercussão. Nessa ocasião o Aeroclube da América convidou-o para representá-lo no Congresso Pan-americano de Aeronáutica no ano seguinte, em Santiago do Chile.