Diante de uma situação de conflito ou do início de uma guerra, é necessário traçar as diretrizes para toda a força armada que estará no front de batalha. Para que isso seja feito da maneira correta, visando o sucesso, é importante utilizar a melhor estratégia militar.
Napoleão, Sun Tzu e Alexandre, o Grande são nomes que, com muita perspicácia, levaram seus exércitos a grandes vitórias. Algumas de suas táticas são consideradas eficientes até os dias de hoje, mas a tecnologia atual consagrou outras possibilidades.

Fatores de decisão e operações ofensivas e defensivas da estratégia militar

Existem quatro fatores que devem ser levados em conta para se firmar uma estratégia militar:

  • missão;
  • inimigo;
  • terreno e condições meteorológicas;
  • meios e tempo de operação.

Após um minucioso estudo de todos, pode-se começar a traçar as linhas táticas.

Operações ofensivas

É importante compreender que praticamente toda operação ofensiva irá expor os atacantes. Ou seja, para que seja positiva, a investida deve contar com um poder de ataque maior do que o de defesa do inimigo.
A principal estratégia ofensiva é a de retirar o outro exército de seu posto e tentar atrair os soldados para locais com menos defesa, além de afastá-los dos suprimentos que necessitarão para manter a batalha.
Isso facilitará o ataque, por reduzir a tentativa defensiva, e também fará com que o inimigo tenha que lutar em um local pouco explorado ou fora do planejamento prévio.

Operações defensivas

O foco da operação defensiva, por sua vez, é fechar os flancos e impedir a entrada do inimigo em território aliado. Boa utilização e aproveitamento do terreno são essenciais, principalmente para ocupar as regiões de defesa.
A defensiva pode ocorrer de dois modos principais:
a defesa em profundidade, na qual são dispostos obstáculos e tropas em profundidade na área a ser defendida, para que o inimigo não progrida dentro de território aliado;
a defesa em todas as direções, para os momentos em que se imagina que a investida do inimigo pode vir pelos flancos. Tudo deve estar coberto, inclusive por meio do trabalho de contingentes extras de soldados.

Guerra tecnológica

O ataque cibernético, que já se fixa como uma das principais armas da Coreia do Norte, passou a ser uma estratégia militar muito eficiente.
São recrutados hackers com alto nível de conhecimento para acessar o banco de dados do inimigo. As informações podem servir tanto para uma possível chantagem futura quanto para traçar estratégias de guerra. Todos os dados que envolvam o Estado inimigo são válidos e podem ser usados contra ele mesmo.
Os drones são uma ótima maneira de reconhecer terreno e localizar pontos estratégicos inimigos. No entanto, podem exigir um alto custo de operações, visto que modificações são necessárias para que tornem-se opções resistentes a ponto de servirem em uma guerra, e muitos com certeza serão destruídos, ainda assim.

Para mais informações sobre o universo militar, confira outros artigos do blog da Rafale!