Esportes de aventura para deficientes – você sabia que há aproximadamente 24,6 milhões de pessoas no Brasil com algum tipo de deficiência ou incapacidade, o que representa quase 15% da população total? Sim, esses dados são do IBGE.

E se considerarmos os grupos especiais (idosos, obesos e grávidas) essa porcentagem cresce consideravelmente, ou seja, são números que merecem o olhar atento de empreendedores e do Governo para proporcionar acessibilidade para estas pessoas e se transformar em um grande nicho de mercado.

E por falar em Governo, este, em 2009, reconheceu o Turismo de Aventura Especial como novo segmento. Aliás, o governo criou o site Guia Turismo Acessível, um espaço colaborativo onde você pode avaliar e consultar a acessibilidade de pontos turísticos, hotéis, restaurantes, parques e atrações diversas. Clique aqui para conhecer o site.

Quais Esportes de aventura para deficientes têm no Brasil?

O Brasil é grande em extensão e em oferecer a prática de esportes de aventura, mas ainda não há tantos locais que estão adaptados para Esportes de aventura para deficientes. Conheça o projeto TRILHAS INCLUSIVAS, que visa promover a inclusão da pessoa portadora de deficiência no esporte e na sociedade como um todo através de passeios de aventura na Serra do Cipó (MG), entre outras localidades.

Rappel, Rafting e passeio off e trekking por trilhas

No município de Vespasiano Correa, no interior do Rio Grande do Sul, há um núcleo de aventura para portadores de necessidades especiais. A iniciativa é do gaúcho Silvio Zonatto, que é profissional de Educação Física.

No local, que tem 204 hectares, os amputados, paraplégicos e portadores de síndromes podem praticar rappel numa ponte de 143 metros, rafting no Rio Guaporé, que é afluente do Taquari-Antas, além de um passeio off-road e trekking por trilhas. Em suas dependências não há muitas adaptações especiais, apenas a carroceria do jipe é engaiolada, para não ter perigo de quedas, e a cadeirinha é especial. “A dificuldade de acessar a água (no rafting), eu vejo como parte da aventura”, disse Zonatto em reportagem publicada pelo portal Webaventura.

Esportes de aventura para deficientes – Tirolesa do Pânico

O município de Socorro, a 132 quilômetros de São Paulo, é referência de cidade adequada às normas de acessibilidade.

O Parque dos Sonhos, o Portal do Sol Hotel Fazenda e o Parque Ecológico Cachoeira do Monjolinho são exemplos de locais que adaptaram as suas instalações para receber bem os turistas portadores de deficiência. De piso tátil a cadeiras especiais para realização de trilhas, os locais oferecem segurança para quem pratica esportes radicais.

Todas as instalações do parque receberam sinalizações, desde a entrada até os apartamentos. Para os esportes radicais, um banner indica quais pessoas estão aptas a praticar cada atividade e o grau de dificuldade no decorrer do trajeto. Os deficientes visuais, por exemplo, podem realizar todas as atividades. Para as outras deficiências, o parque oferece adaptações.

Para aqueles que desejam sentir a adrenalina pura, a sensação do local é a Tirolesa do Pânico, com um quilômetro de extensão e a 160 metros de altura.

Esportes de aventura para deficientes – Rafting, kayak fun, boia-cross, hidrospeed, canyonismo e acqua ride

Em Brotas, interior de São Paulo tem a Ecoação, uma agência especializada e completamente adaptada ao cadeirante. Entre as atividades prestadas, estão o rafting, o kayak fun, boia-cross, hidrospeed, canyonismo e acqua ride. (14) 3653-9140 / (14) 99109-6466.

Livro Turismo de Aventura Especial

O jornalista e fotógrafo Dadá Moreira lançou o livro “Turismo de Aventura Especial – História do Turismo de Aventura Adaptado”. A publicação fala sobre sua superação de limites em contato com a natureza e como isso tornou-se o principal meio de reintegração social e reabilitação na luta contra sua deficiência.

Aos 30 anos, debilitado pelos sintomas da ATAXIA, uma doença degenerativa sem cura – que compromete a coordenação motora, fala e visão – Dadá viu sua vida pessoal e profissional se desmoronar, mas decidiu dar a volta por cima, buscou recondicionamento físico e começou a encarar os desafios dos esportes de aventura. Foi um novo horizonte que se abriu. “ Recuperei movimentos e funções que a medicina tradicional dizia serem impossíveis de se recuperar. Retribuo muito disso à reabilitação psicológica que as atividades de aventura oferecem a uma pessoa que havia perdido as esperanças, como eu”, disse o jornalista.

A importância do Esporte de aventura pra portadores de deficiências especiais

O que torna interessante a prática das atividades de aventura é o fato de que, uma simples viagem de final de semana para um local que possibilite a vivência dessas atividades, pode representar para algumas pessoas um momento único e descontinuo das vivências rotineiras e cotidianas, no sentido de interagir e contemplar paisagens que raramente são encontradas em meios urbanos.

Expor a experiência do deficiente nas atividades de aventura significa socializar ações prático-teóricas sobre atividades de aventura com possibilidades inclusivas.

O deficiente, claro, e mais ninguém, é que deve decidir se precisa ou não se sujeitar a tais Atividades de Aventura, se vale à pena ou não, aderir a essas práticas.

Botas Adventure para a prática de Esportes de Aventura

As Botas Adventure Rafale são tendência da mercado calçadista masculino e prometem fazer muito sucesso em seus pés. Se você procura por um abotinado robusto com design urbano, que garanta conforto e boa performance em suas aventuras e trilhas.

Todas as imagens utilizadas na postagem são de divulgação e foram encontradas no google imagens