Cruz Vermelha: E aí, guerreiros, tudo bem? O Dia Internacional da Cruz Vermelha é comemorado em 8 de maio. No post de hoje saiba tudo sobre essa importante organização.

Certos de que o trabalho de cada um não foi em vão, nós, da Rafale, deixamos aqui a nossa saudação a todos os voluntários que passaram ou estão sempre apoiando a Cruz Vermelha.

O que é a Cruz Vermelha?

A Cruz Vermelha é uma organização internacional, sem fins lucrativos, cujo objetivo principal é prestar socorro e assistência às pessoas vítimas de guerras e catástrofes naturais (terremotos, tornados, enchentes, etc.).

Quando surgiu a CRUZ VERMELHA?

A origem da Cruz Vermelha é de 1863, quando o suíço Jean Henri Dunant, durante uma viagem de negócios pela Itália, em 1859, testemunhou a Batalha de Solferino, travada entre tropas austríacas e francesas, que teve quase 40 mil baixas.

Impressionado com a tragédia, Dunant organizou os serviços para atender os feridos de ambos os lados.

Por que o nome CRUZ VERMELHA?

Como já dissemos, Henri Dunant era sueco, por isso foi escolhido como emblema do grupo a vermelha cruz em fundo branco, que é o inverso das cores presentes na bandeira da Suiça.

Qual é o papel da Cruz Vermelha?

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) é uma instituição humanitária fundado em 1863 em Genebra, Suíça, por Jean Henri Dunant. Seu comitê de 25 membros possui uma autoridade única sob a lei internacional humanitária para proteger a vida e a dignidade de vítimas de conflitos internacionais e internos.

A CRUZ VERMELHA no Brasil

A Cruz Vermelha Brasileira foi fundada em 5 de dezembro de 1908 e, desde então, tornou-se instituição modelar, tanto em tempos de guerra, no socorro aos feridos em campos de batalha ou na liberação de prisioneiros de guerra – da forma prevista nas Convenções de Genebra -, como em tempos de paz, levando ajuda a vítimas de catástrofes e desastres naturais (secas, enchentes, terremotos etc.).

Seu primeiro presidente foi o Dr. Oswaldo Cruz, médico, patrono da Saúde Pública no Brasil, responsável pelas principais campanhas sanitaristas do início do século XX no Rio de Janeiro.

A organização Brasileira é reconhecida pelo governo brasileiro como sociedade de socorro voluntário, autônoma, auxiliar dos poderes públicos e, em particular, dos serviços militares de saúde, bem como única sociedade nacional da Cruz Vermelha autorizada a exercer suas atividades em todo o território brasileiro.

5 curiosidades sobre a Cruz Vermelha

1) Em teoria, governo algum pode impedir a entrada de agentes médicos num campo de prisioneiros.
2) Quando começou organizar a criação da organização, Henri Dunant era um empresário milionário. Mas ele acabou indo à falência ao dedicar mais tempo às atividades humanitárias do que aos seus negócios, chegando a virar um mendigo numa pequena cidade suíça.
3) A organização foi escolhida como símbolo das organizações médicas voluntárias em um tratado internacional assinado em 1864.
4) Os muçulmanos questionaram a cruz como símbolo. Em 1906, adotaram o Crescente Vermelho como símbolo e como nome da mesma organização.
5) A partir de R$15,00 por mês, você pode ajudar a Cruz Vermelha Brasileira a ajudar quem precisa, por meio de diversos projetos que levam atendimento médico a áreas remotas, garantem qualificação para jovens em situação de vulnerabilidade ou atendem refugiados em todo o Brasil, entre muitos outros. Clique aqui para doar .

Jean Henri Dunant: o fundador da CRUZ VERMELHA

Jean-Henri Dunant (Genebra, 8 de maio de 1828 — Heiden, Suíça, 30 de outubro de 1910) foi um filantropo suíço, co-fundador da Cruz Vermelha Internacional. Recebeu o primeiro Nobel da Paz em 1901, juntamente com Frédéric Passy.

Em 1863, incitado por Gustave Moynier, e apoiado pelo Guillaume-Henri Dufour (o General Dufour) e os médicos Louis Appia e Théodore Maunoir – o chamado O Comitê dos Cinco – criam o que chamava na altura ‘comité international de secours aux blessés (Comité internacional de socorro aos feridos) reconhecida no ano seguinte pela Convenção de Genebra e o que viria a ser o Comitê Internacional da Organização.

De personalidade altruísta, Dunant não teve sorte nos seus negócios, acabando por se isolar em Heiden, na Suíça. Após adoecer, esteve internado no hospital desta vila Suíça, onde veio a falecer em 1910.

Entre outros prêmios, Dunant recebeu de Portugal a Ordem de Cristo, em 1897.