Siga a Rafale no Facebook

Cavalaria: do Egito antigo às guerras modernas

Cavalaria: do Egito antigo às guerras modernas

“A cavalaria está chegando” esta é uma frase muito famosa dos filmes de Hollywood, usada primeiro no faroeste Sete Homens e um Destino e repetida com frequência nas mais diversas produções artísticas. A frase significa que a cavalaria do exército americano estava chegando para salvar os protagonistas da morte certa, fazendo referência à qualidade da tropa, a mais temida da época da Guerra Civil americana. 

Tirando como base a cavalaria americana, podemos realmente falar que durante os séculos, até a Primeira Guerra Mundial, os soldados acompanhados de seus fieis cavalos sempre foram os mais temidos, por conta da possibilidade de se deslocarem rápido e com a força de um animal pra cima das tropas inimigas. Hoje, a cavalaria se mantém como um importante segmento da patrulha urbana, principalmente em caso de tumultos e protestos violentos.  

Mas, para conhecer a fundo a cavalaria, que comemorou seu dia nesta semana, dia 10 de maio, precisamos remontar aos séculos passados. 

No Egito Antigo 

Durante séculos, os homens não tinham lugares fixos, eram nômades, até que descobriram a agricultura e passaram a se estabelecer em aldeias e cidades, geralmente próximas a rios. 

Foi assim que surgiu o império egípcio, nascido nas margens do Rio Nilo e que com o passar dos anos se tornou o mais rico e influente império da humanidade. 

Para que os humanos pudessem cruzar o vasto império, os camelos eram os animais mais usados, já que o deserto demandava animais que não precisassem ficar a todo momento consumindo água e comida. Os cavalos, recém-descobertos como animais de montaria tinham outra função: puxar as bigas durante as sangrentas batalhas por território. 

Foi assim que nasceu a cavalaria: para a rápida conquista dos territórios do Egito Antigo.  

No Império Romano 

Já na Roma Antiga, os cavalos tinham funções de deslocamento das tropas. O terreno europeu, somado às vastas estradas construídas pelos romanos contribuíram para a disseminação do uso dos cavalos. 

Mesmo assim, os animais eram muito importantes em batalha, sendo a cavalaria a tropa mais temida dos inimigos dos romanos, principalmente os bárbaros europeus.  

Mas, Roma tinha um inimigo à altura. Os Unos eram cavaleiros extraordinários, já que herdavam suas habilidades na montaria dos Mongóis liderados por Gengis Khan, séculos antes, que usaram seus cavalos para conquistar 1/3 das terras descobertas até então. Com habilidades formidáveis, a cavalaria dos Unos contribuiu para a queda do Império Romano e para a ascenção do Império Turco-Otomano. 

Por sua vez, os Turcos conquistaram boa parte da Europa e das antigas cidades do Oriente Médio, disseminando o Islã e conquistando a rivalidade dos cristãos europeus.  

Na Idade Média 

A Idade Média se inicia com a queda do Império Romano. Seus primeiros séculos são caracterizados pelas Cruzadas. Os cavaleiros Cruzados cavalgaram anos para que pudessem reconquistar os territórios Islâmicos localizados nas terras santas para os cristãos. 

Nessas batalhas, a cavalaria era imprescindível, tanto para os cristãos, como para os Muçulmanos.  

Os cruzados conseguiram anos de domínio sobre os territórios, mas a habilidade com os cavalos deu aos muçulmanos extrema vantagem, fazendo com que os territórios fossem reconquistados anos depois.  

Na alta Idade Média, a cavalaria ainda era uma tropa extremamente útil, mesmo perdendo espaço para os arqueiros, que agora conseguiam agir à distância, principalmente em batalhas de campo aberto, como foram as de conquista de ingleses e franceses durante a Guerra dos 100 anos.  

Os franceses foram derrotados pela habilidade dos arqueiros ingleses, mesmo assim suas habilidades com a montaria fizeram com que, já na idade moderna, conquistassem boa parte da Europa com a mão firme de Napoleão Bonaparte.  

Idade Moderna e Contemporânea 

A cavalaria foi o ponto chave das Guerras Napoleônicas. O Imperador apenas chegou a seu patamar histórico por conta de suas tropas que usavam tanto os cavalos, quanto as armas de fogo recém-criadas.  

A velocidade com que Napoleão conquistava os territórios só era possível com o uso dos cavalos.  

Com o passar dos anos, a cavalaria foi sendo substituída por tecnologia bélica mais avançada. A Primeira Guerra Mundial foi o último conflito de grandes proporções a utilizar a cavalaria no front de batalha.  

Hoje em dia, a cavalaria é uma importante divisão das Forças Armadas e das Polícias, já que essa tropa é responsável pelo patrulhamento urbano e inibição de protestos violentos.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × quatro =